A Arte do Prazer Sexual

 

 

A ARTE DO PRAZER SEXUAL

 

    YOGA TÂNTRICO – SAHAJOLI – POMPOARISMO

    O pompoarismo é considerada uma técnica oriental milenar, que nasceu na Índia tendo sido aperfeiçoada posteriormente na Tailândia e Japão. Os primeiros exercícios surgiram do ramo especial do Yoga, o Yoga Tântrico, cuja prática também pode ser chamada de pompoarismo, sendo esta uma actividade bastante antiga que tinha, e tem, como objectivo exercitar, contraindo e relaxando, os músculos do assoalho pélvico (MAP).

    A arte de contrair e relaxar estes músculos, denominado no Yoga Tântrico por Sahajoli (pompoarismo), era praticado naturalmente, ou seja, as mães orientavam as suas filhas, em relação a este legado, através do sistema Paran Paran, quer dizer oralmente, e não através de leituras ou escritas.

   Entre os nobres, a mãe da jovem contratava uma orientadora, mestra na arte de amar, com a finalidade de ensinar e preparar a donzela, representante da emanação da energia Shakti, da pureza e castidade, a “Deusa do Amor”, com intenção de a entregar ao seu pretendente, Shiva “Deus Transformador”, aquele que iria transformar a donzela em mulher e mãe. Assim se formava um casamento perfeito e sagrado.

    Os exercícios tântricos eram assim uma preparação para o Maithuna, ritual da união sexual sagrada. Essa prática foi desenvolvida inicialmente pelas sacerdotisas dos Templos da Grande Mãe para ser utilizada nos rituais em adoração a Shakti. Com o passar do tempo a técnica foi-se expandindo, tornando-se popular. Em especial na Índia, estes exercícios são desde há milénios, e ainda hoje por tradição, passados de mãe para filha, como forma de tornar a mulher mais erótica, melhor esposa e mãe, mais feliz consigo mesma.

 

    POMPOARISMO E SAÚDE

    Exercícios semelhantes foram “desenvolvidos” na década de 50 pelo ginecologista californiano, Arnold Kegel. Inspirando-se no conhecimento desta arte, o Dr. Kegel, tendo em mente ajudar as mulheres com incontinência urinária de esforço, útero descaído ou bexiga, em situação traumática pós-parto ou cirurgia, popularizou os exercícios de contracção e relaxamento dos músculos MAP e circunvaginais, o que veio a beneficiar em muito, a saúde e sexualidade da mulher naquela época. Visando exercitar os músculos do assoalho pélvico, os músculos que dão suporte ao recto, vagina, uretra e pelve, adoptou muitos dos exercícios já existentes, introduzindo assim no Ocidente, o Sahajoli feminino.

    Aplicada esta terapia, verificou-se que ao serem exercitados esses músculos, o problema clínico ficava resolvido e que, como efeito colateral, ao aumentar a força dos músculos visados, aumentava também o fluxo de sangue, o que potencializava as sensações genitais, facilitando a excitação e promovendo orgasmos mais intensos. Assim o Sahajoli tornou-se rapidamente popular entre as mulheres, pois contribuía para a felicidade de muitos casais que desfrutavam destes exercícios, de modo criativo e saudável, nas suas relações sexuais.

     O Yoga Tântrico comporta também a prática do Sahajoli masculino, exercícios que movimentam os músculos pubococcígeos no homem, através da movimentação voluntária do esfíncter anal e púbis, exercícios denominados mulabhanda. Incluem também vários tipos de movimentos pélvicos e penianos, que praticados com regularidade, melhoram a circulação sanguínea da área pélvica, aumentando consequentemente a potência sexual e o prazer do praticante, ajudando-o a controlar a ejaculação precoce e auxiliando-o no tratamento da incontinência urinária. Consequentemente, alguns homens conseguem realmente “fazer amor” durante longo tempo, proporcionando mais prazer às suas companheiras, e melhorando a sua própria auto estima.

                                   

 

     CONCEITO E PRECONCEITO

     Teoricamente o pompoarismo, ou Sahajoli, consiste em “oito manobras” tendo em vista a contracção e descontracção dos músculos vaginais, canal vaginal e vulva, para que sejam produzidos movimentos que permitam à vagina a execução de várias acções em redor do pénis.

    Estas manobras visam aumentar a pressão intravaginal durante a relação sexual e são conhecidas originalmente como sugar, chuchar, torcer, estrangular, expelir, ordenhar, revirginar e travar, podendo ser realizadas com intensidade e velocidade variável, em sequência ou de forma alternada, de acordo com o gosto individual.

    Face ao estudo actual, sobre anatomia, fisiologia e cinesiologia humana, sabe-se hoje que, trabalhar apenas os músculos vaginais, estes não podem produzir por si só, todas as sensações que se tinham como possíveis e certas. No entanto, uma prática de actividade física que inclua um trabalho misto, de todos os músculos do assoalho pélvico (MAP), músculos circunvaginais, abdominais, cintura (anca) e diafragma, poderão sem dúvida, com alguma prática e treino, proporcionar intenso prazer sexual.

    Para que se possam trabalhar os músculos mais internos do assoalho pélvico, é necessário adquirir consciência corporal, o que irá permitir a localização exacta dos mesmos, desenvolvendo a proprioceptividade.

    Podem-se fortalecer os MAP através de exercícios de simples contracção e relaxamento, como é o caso dos exercícios de Kegel, ou com acessórios, que possibilitem a sua consciencialização exacta, como os cones vaginais que produzem fortalecimento e cinestesia, ou ainda com os Ben Wa, as famosas bolinhas tailandesas, que favorecem a propriocepção e coordenação motora local. Os exercícios com estes materiais, podem ser realizados pela própria mulher, sozinha, no conforto do seu lar, desde que orientada inicialmente por um profissional.

 

Cones vaginais

             

 

Ben Wa

            

 

    Estes acessórios, que auxiliam na identificação dos MAP e simultânea dissociação entre estes e os músculos circunvaginais, permitem um treino muito mais eficaz do que a simples contracção muscular. Estes instrumentos propiciam, sobretudo às mulheres com maior dificuldade na sua percepção corporal, resultados mais rápidos quanto à localização específica dos músculos e respectivos movimentos.

    A arte de trabalhar os MAP, é ainda no Ocidente tida como tabu, sendo esta técnica, por esse motivo, ainda muito pouco explorada entre nós. Isto porque no Oriente, no Japão e sobretudo na Tailândia, estes exercícios foram e são utilizados com especificidade sexual, ou seja, tendo em vista apenas o prazer sexual, não apenas entre cônjuges. No Japão, estes exercícios foram muito utilizados pelas gueixas, que se dedicavam a inúmeras artes, e na Tailândia, são ainda hoje utilizados tendo em vista a exploração sexual, tanto a nível da prostituição como dos espectáculos.

 

    ENERGIA SEXUAL E ESPIRITUAL

    Os taoistas consideram que a energia sexual é a água da vida, que reabastece os jardins do templo humano, o alimento para a totalidade do ser, englobando corpo, mente e espírito. Os exercícios que visam a energia sexual, desenvolvidas nos ensinamentos taoistas, são muito mais sofisticados e focados do que no Ocidente. Esses exercícios vão directamente à fonte da sexualidade, cultivando-a de maneira a trazer energia e força sexual para quem os utiliza apropriadamente.

    O taoismo destaca a importância dos chacras e da energia sexual, como energia vital (Qi), quando vivida em equilíbrio e sabedoria. Juntamente com os exercícios citados, do Sahajoli, esta energia é assumida como promotora da saúde física conduzindo, ao desenvolvimento e crescimento espiritual, quando centrada nas técnicas tântricas, no conhecimento sobre os chacras e na energia Kundalini. Esta energia pode ser activada durante uma relação sexual, onde prevaleçam exercícios do Sahajoli e um enlace muito intenso entre os pares, desenvolvendo assim uma potente energia que, quando desperta, é impulsionada verticalmente do primeiro até ao último chacra, conduzindo à ascensão espiritual.

    Este tipo de envolvimento, onde sexo e espiritualidade, se encontram intimamente vinculados, e que contribui para que ambas as energias, sexual (Ching) e espiritual (Shen), circulem pelos mesmos “canais”, além de proporcionarem melhoria da saúde física e psíquica, fortalece os laços afectivos, emocionais e amorosos entre o feminino e masculino.

    O Sexo Tântrico fomenta assim uma perspectiva erótica na relação sexual, onde o estímulo da sensibilidade gera uma forma de estar e sentir diferentes durante o contacto sexual. Abre-nos uma porta à reflexão profunda, sobre as relações que são praticadas, incentivando a união harmoniosa e intensa onde se pode experienciar a sensação quase mágica de inexistência temporal.

 

    FINALIDADES E METAS PESSOAIS

    À luz da ciência podemos assim concluir que, o fortalecimento do assoalho pélvico, está estritamente ligado à saúde física e psíquica, assim como à optimização do desempenho sexual. Este contribui por sua vez para o fortalecimento dos laços psico-afectivos, interagindo nos parâmetros, emocionais, na plenitude amorosa e espiritual.

* Assim, em defesa da prevenção, ou reabilitação, é aconselhada a prática de exercícios específicos que fortaleçam os MAP, inicialmente sem a intervenção dos músculos abdominais, glúteos ou anca. Ao reforçar estes músculos poder-se-á evitar uma série de situações desconfortáveis, tais como prolapsos genitais, pós parto, ou pós menopausa (útero ou bexiga descaída) e incontinência urinária (em gestantes ou idosas), tornando-se também uma mais valia na colaboração do período expulsivo de um parto normal.

* Para optimização das relações sexuais, é aconselhado o fortalecimento dos MAP, com abdominais, glúteos e anca, adicionando exercícios específicos, com ou sem acessórios (cones vaginais e Ben Wa), tendo como objectivo manter o órgão genital firme e com elasticidade. A hipotrofia muscular vaginal, ou seja, o enfraquecimento dos músculos estriados da vagina, que produzem o relaxamento do canal (o que pode ocorrer na menopausa, por carência hormonal) e consequente diminuição da sensação de pressão intravaginal durante a relação, podem também ser solucionados pelo reforço dos MAP. Estes exercícios são indicados para todas as mulheres, independentemente da idade, beneficiando todas as praticantes.

           

 

    O NOSSO OBJECTIVO

    Temos como objectivo a desmistificação total do Ser, pela aceitação e compreensão do que somos e de quem somos.

    Acreditamos ser indispensável funcionar impecavelmente em todos os sectores da vida, com consciência da totalidade do Ser, respeitando todos os aspectos nobres da Criação, pois só assim nos será permito aprender, crescer e amadurecer em equilíbrio e harmonia. Consideramos ser o corpo, um templo que abriga o espírito, pelo que preconizamos respeito e preservação da integridade física, numa atitude recta e cristalina, sem bloqueios ou falsos pudores, algo ainda muito arreigada no nosso país.

    Embora a necessidade da prática da actividade física seja cada vez mais aceite e compreendidos os benefícios físicos, como promotores da saúde, é visível o acanhamento e timidez quando se aplicam exercícios pélvicos numa aula.

    Sabe-se que qualquer grupo muscular pode ser trabalhado e mantido em forma, desde que o exercício seja constante e regular. Há mais de cinquenta anos que são conhecidos os exercícios para o fortalecimento pélvico, bem como indicados por muitos médicos, quando conscientes da sua necessidade.

    Esta situação desperta cada vez mais atenção e suscita algumas questões:

- Afinal, se existem dificuldades e problemas de saúde causados pelo enfraquecimento dos músculos do assoalho pélvico, que pode ser fortalecido mediante exercícios específicos, por que não mantê-los fortes evitando o surgir de problemas clínicos?

- Se podemos melhorar a relação conjugal, estreitar os laços amorosos e espirituais, surpreendendo o nosso parceiro com alguns exercícios criativos e envolventes, porque não aprendê-los praticando uma actividade física saudável?

    Pensando em toda esta problemática, e especialmente em si, como promotoras da saúde física, psíquica e espiritual, estando habilitadas na área da saúde, propomos que se junte a nós, numa iniciativa saudável e inovadora em Portugal.

* Venha conhecer-se um pouco mais, experimentar a sensação do controlo muscular, de toda a zona pélvica.

* Permita-se descobrir a “deusa” em si, a envolvência das energias sexual (Ching) e espiritual (Shen) possíveis numa relação a dois, aprendendo e exercitando novas capacidades físicas, eróticas e sensuais.

    Temos a certeza de que se irá sentir muito melhor fisicamente, por praticar uma actividade física que além de cortar o sedentarismo lhe proporcionará um abdómen mais liso e firme, com músculos mais definidos, para além da aquisição de todos os outros atributos surpreendentemente atractivos.

Venha praticar connosco! (para mais informações sobre as aulas aceda AQUI)    

Contamos consigo!

 

Bibliografia

“Os Chakras que Falam!”

- Ramos,Sonia Szeligowski - Ed. Arcobaleno

“A Cura pela Meditação”

- Carmo, Cristina - Ed.Mercuryo

“Reflexologia Sexual – O Tao do Amor e do Sexo”

- Mantak Chia, W. U. Wei – Ed. Cultrix

“Os ensinamentos sexuais da Tigresa Branca – Segredos dos Mestres Taoistas”

- Hsi Lai – Editora Aquariana

“Pompoar a Arte de Amar”

-Regina Racco

* Experiência pessoal e profissional.